Central de vendas: (31) 3110-8001

Indicadores de confiança mostram virada da economia

15-09-2017

Pesquisas de confederações e entidades sugerem que o País começa a trilhar o caminho da recuperação

A economia começa a reunir as condições necessárias para voltar a crescer e a gerar emprego e renda. Indicadores importantes, que funcionam como um termômetro da saúde do País, têm avançado fortemente na direção de um cenário mais positivo.

Essa melhora, que passa a se refletir em geração de riqueza, tem na confiança de empresas e de famílias seu principal combustível. Pesquisas realizadas por instituições de ensino e entidades representativas mostram empresários e consumidores cada vez mais otimistas.

Em outubro, a confiança do consumidor, medida pela Confederação Nacional da Indústria (CNI), aumentou pelo quarto mês consecutivo ao subir 1,3% frente a setembro. Com esse desempenho, o indicador atingiu os 104,4 pontos. A última vez que o índice registrou crescimento por quatro meses consecutivos foi entre maio e agosto de 2010.

Praticamente todos os componentes dessa pesquisa de confiança cresceram entre setembro e outubro. Segundo a CNI, os consumidores estão mais otimistas com as expectativas de inflação, de emprego, de renda pessoal, com a expectativa de compras de bens de maior valor, com endividamento e com a situação financeira.

Comércio

A Confederação Nacional do Comércio (CNC) também faz uma pesquisa de confiança, mas do empresário do comércio. Esse levantamento também mostra avanço expressivo nos últimos meses. Em outubro, esse indicador subiu 1% contra setembro e 18,7% frente a igual mês do ano passado.

Esse resultado, de acordo com a confederação, foi influenciado pela melhora na avaliação das condições correntes, nas expectativas de curto prazo e nas intenções de investimento. Isso também significa que os empresários do comércio começam a ver um cenário melhor para o futuro e, em breve, podem tirar projetos da gaveta e contratar mais empregados.

A Fundação Getulio Vargas (FGV) também desenvolve pesquisas nessa linha. As de outubro, sobre expectativas do comércio e do consumidor, também mostraram elevações expressivas. O Índice de Confiança do Consumidor subiu 1,8 ponto no mês, depois de seis altas seguidas, e atingiu o maior nível desde dezembro de 2014.

A importância da confiança na economia

Segundo economistas e analistas, confiança é fundamental para o funcionamento da economia. Sem ela, o trabalhador não planeja o futuro e adia suas compras e investimentos. Se muitos trabalhadores deixam de comprar, o comércio e a indústria vendem menos.

Nesse ciclo, caso as empresas também percam a confiança, também adiam planos e investimentos. Se elas projetam queda nas vendas, deixam de tirar projetos da gaveta e, em última instância, podem até demitir.

Os indicadores divulgados nos últimos meses sugerem que o País está próximo de um ponto de virada. Com o ganho de confiança, a expectativa é de que mais investimentos sejam realizados e de que a economia volte a crescer.

Diante das medidas adotadas pelo governo para reorganizar a economia, como a proposta que cria um limite para o teto dos gastos, até as projeções do Produto Interno Bruto (PIB) começaram a melhorar. A projeção do mercado financeiro, agora, é de que o Brasil vá crescer algo ao redor de 1,3% no próximo ano.

Fonte: Portal Brasil, com informações da CNICNCFGV e Banco Central

Leandro Hindu

Lorem ipsum dolor sit amet, consectetur adipiscing elit. Cras eu orci quis arcu dictum fermentum. Quisque viverra, elit quis molestie blandit, odio arcu mattis erat, at dictum felis libero in nisi.

Assine a nossa newsletter

Receba as novidades e dicas da Unenco direto na sua caixa de entrada

Sair

Escolha o empreendimento